Dica de passeio de barco em Fernando de Noronha

Além do Ilha Tour, outro passeio imperdível e que também é indicado para quem vai ficar pouco tempo em Fernando de Noronha é o passeio de barco. Fizemos no dia 21 de maio, dia do aniversário do Thiago e fechamos com a empresa Atalaia que cobra R$ 90. Porém, ganhamos 10% de desconto por ser baixa temporada. A embarcação passa pelo lado norte da ilha, conhecido como mar de dentro, que vai das ilhas secundarias até a Ponta da Sapata. Tanto na ida como na volta passamos pela Baía dos Golfinhos. Além disso, há uma parada de 40 minutos para mergulho livre na Praia do Sancho. Neste post, você vai conferir como foi o nosso dia 🙂

Porto de Santo Antônio, local de onde chegam e saem as embarcações em Noronha

Porto de Santo Antônio, local de onde chegam e saem as embarcações em Noronha

Opções de passeios de barco

Saímos da pousada por volta de 8h30. Além desse horário, a Atalaia também tem saídas às 12h30. Fomos até o Porto de Santo Antônio e entramos no barco. O passeio dura em média quatro horas. O valor que pagamos (R$80 com desconto) não inclui almoço e não há opção de pagar mais caro para almoçar.

Saída do passeio de barco - Praia do Porto ao fundo

Saída do passeio de barco – Praia do Porto ao fundo

No entanto, há a opção do Barco da Marlene que também é bastante conhecido em Noronha. O valor é R$ 150 para você fazer o mesmo passeio de barco. Porém, há almoço na própria embarcação e, depois, eles trocam de barco para fazer a prancha submarina (Aquasub). No passeio, o turista segura uma pequena prancha e é puxado por um barco. Segure firme, pois o comandante puxa bem, pelo o que eu li em relatos. Durante as diversas acrobacias, você pode inclinar a prancha para baixo para observar peixes e até tartarugas marinhas. Nós até pensamos em fazer o Aquasub depois, mas acabamos desistindo porque já havíamos feito muitos mergulhos livres e visualizado muita vida marinha. Eu, Aline, fiquei com medo de largar a prancha hahaha . Como não sei nadar, não me senti segura para esta aventura. Lembrando que, se você for de colete, não é possível ir debaixo d’água para ver peixes, o que vale muito mais à pena para quem quer se aventurar.

Acqua sub ou pranchinha (Foto: Divulgação/Atalaia)

Acqua sub ou pranchinha (Foto: Divulgação/Atalaia)

A Atalaia também tem o passeio da pranchinha, como é conhecido, e cobra R$ 90 para você se aventurar por 40 minutos e R$ 150 para a prancha VIP. Neste, além do mergulho a reboque há um passeio de barco até o Morro Dois Irmãos e no retorno a embarcação para na Praia da Conceição, onde será preparado e servido a bordo um churrasco de peixe e picanha acompanhado de salada. Acaba valendo à pena, mas o roteiro é diferente do passeio de barco tradicional.

Nós gostamos do passeio com a Atalaia. Valeu e muito! Passamos pelas Praias do Cachorro, Meio, Conceição, Americano, Bode, Boldró além de várias ilhas secundárias que eu não lembro muito bem os nomes rs. Acho que foram Rasa, Sela, Meio e Rata (dos golfinhos). Não precisa anotar os nomes da ilhas, pois a maioria das empresas fazem o mesmo trajeto 😉 Abaixo, veja algumas fotos das paisagens que contemplamos durante o passeio de barco. A cor da água em alguns trechos é meio verde, em outros azul escuro e há partes bem clarinhas também.

 

Passamos também por um caverna muito interessante. Quando a água bate na pedra há um rugido semelhante a um leão. É incrível!

Pedra que tem o rugido do leão

Pedra que tem o rugido do leão

Na Baía dos Golfinhos, o povo delira! São vários golfinhos rotadores (dão sete voltas direto. Só há no Brasil e Havaí) que ficam ao lado do barco. Outros ficam o tempo todo na frente. Eles fazem acrobacias e a galera solta suspiros. Afinal, eles são fofos, não é verdade? Inteligentes demais, eles fazem essas graças para distraírem  o barco e, assim, protegerem as fêmeas e os filhotes que estão por perto. Que gracinha, não? 🙂

Golfinhos rotadores - Fernando de Noronha

Golfinhos rotadores – Fernando de Noronha

Ponta da Sapata

Após os 40 minutos no Sancho, a última parada é na Ponta da Sapata – local em que há a trilha do Capim Açu (9Km). Ela é considerada a mais tensa de todas e requer um guia pelo nível de dificuldade. Quem gosta de fazer trilha, procure saber sobre ela. Geralmente os guias cobram R$ 150. Inclusive, o guia Arthur (Atalaia) é especializado em trilhas. Basta passar no escritório e procurar por ele. Conheci um casal que fez com guia e chegaram mega cansados na pousada. Levaram 6 litros de água e voltaram desidratados, acreditem. Segundo eles, no meio da trilha, acharam outro casal perdido. A guia pegou o nome deles para alertar o icmBio, pois eles não quiseram ajuda. Depois, se perdem e vem a notícia na TV…enfim.

Ponta da Sapata - buraco lembra mapa do Brasil

Ponta da Sapata – buraco lembra mapa do Brasil

Dica para quem costuma enjoar em passeios de barco

Já fiz diversos passeios de barco pelos lugares que viajei. Em Pipa (RN), eu tomei um Dramin antes porque havia lido que costuma mexer demais. Dito e feito. Em Noronha, quando o barco parou na Praia do Sancho, só foi o tempo do barco parar e eu colocar o colete para cair na água. Pronto. Comecei a ficar tonta com o barco balançando. Fui me acalmando e coloquei o snorkel. Vi poucos peixes neste dia porque o mar estava mexido. Fiquei uns 20 minutos e subi passando MUITO mal. Ao meu lado, uma moça chamou o Raul e foi aconselhada em não ir ao banheiro do barco, mas sim em alimentar os peixes. Arghhhhhhhhhh rs.

Beijinho no Sancho, mas nada do mal estar passar...

Beijinho no Sancho, mas nada do mal estar passar…

E o barco balançava, balançava e balançava e eu eu louca para sairmos dali. Estava feia coisa. Tomei um Dramin, que estava no kit que sempre levo na mochila, mas já era tarde demais. Infelizmente, não li nada sobre enjoo durante este passeio. Quando, enfim, o barco saiu, eu olhava para o lado e contei seis mulheres passando mal. Enquanto passávamos por lugares lindos, eu segurava para não chamar o Raul também. Os guias me deram gelo para passar nos pulsos e minha pressão estava tão baixa que eu não aguentava abrir os olhos. Só abri quando o Thiago me cutucou para mostrar o azul lindo perto de umas pedras que passamos ( segunda foto abaixo). Levantei para ver os golfinhos rotadores, que também aparecem na volta do passeio, e mal consegui ficar um minuto de pé quando passamos por um lugar com a água clarinha. E nunca que chegava ao Porto. Foi tenso, gente! Abaixo, uma das fotos que o Thiago fez. As outras estão péssimas hahahaha.

Olhem meu estado! Passando muuuito mal

Olhem meu estado! Passando muuuito mal

Foto de costas porque a cara péssima não me permite hahaha

Foto de costas porque a cara péssima não me permite hahaha

Que azul incrível!!

Que azul incrível!!

Tons de azul em Noronha

Tons de azul em Noronha

Quando descemos do barco, ufa! Respirei e fui tentando me acalmar. Paramos no Flamboyant, muito conhecido na Vila dos Remédios, e eu comi bem pouco no self service. Muita gente fala bem desse restaurante. Ele tem poucas opções no self service, mas não curti muito a comida nas duas vezes que almocei por lá. Thiago gostou. A la carte não chegamos a comer.

Mergulho livre no Porto

Depois do almoço, a Danielle e o Wagner (casal que conhecemos na ilha – segunda foto do post), nos convidou para ficar com eles passeando de buggy. Topamos e lá fomos mergulhar no Porto. A essa altura eu já estava melhor, graças a Deus. Alugamos pé de pato (nadadeiras) e coletes em uma lojinha que cobra R$10/cada e só não alugamos a máscara pois já tínhamos. Estava muito sol! Passamos protetor e lá fomos nós! Ficamos mais para o lado esquerdo, mas não muito perto da pedras porque há saída e chegada de embarcações. No entanto, o mergulho ali não é proibido nem perigoso. Só requer atenção.

Praia do Porto - Fernando de Noronha

Praia do Porto – Fernando de Noronha

Vimos muitos peixes mais uma vez 🙂 além de tartarugas e parte de um navio que naufragou em 1700 e pouco. Quando eu estava saindo da água, na parte bem rasinha, eis que resolvo dar mais uma olhadinha e vejo uma arraia bem pequena. Tanto nesta vez quanto em outro dia que voltamos ao Porto, vimos somente duas pessoas fazendo snorkeling. Voltamos outro dia e não havia ninguém, mas tivemos uma grande surpresa que eu não li por aí. Mas isso, contarei no post do nosso último dia em Noronha ;). O vídeo abaixo foi feito com a GoPro (Hero 2). A visibilidade no Porto é como no Sueste: escuro. Não conseguimos filmar muito porque o cartão estourou a capacidade, mas a melhor lembrança de tudo que vimos está na memória.

Na foto abaixo, demos uma paradinha para fotografar esta bela praia chamada Caieiras. Fica no caminho do Porto,  perto de um posto de gasolina na menor BR do Brasil, a BR 363 que tem apenas 7 Kilômetros.

Praia de Caieiras - Fernando de Noronha

Praia de Caieiras – Fernando de Noronha

Praia do Bode e pôr do sol no Mirante do Boldró

Partimos para a Praia do Bode porque nos disseram que havia uma piscininha natural. O acesso para chegar lá de bicicleta é complicado se chover, como comentei no post anterior. Ela fica entre a praia da Cacimba do Padre e Praia do Americano, ambas com muitas ondas e boas para o surf. De lá, você tem a vista para os Dois Irmãos. Acabamos que nem fomos lá na piscininha, que fica no caminho para quem vai para a Cacimba do Padre. Não é longe, mas vejam o tamanho dela na segunda foto rs. Como o sol estava forte e quase se despedindo, voltamos ao Mirante do Boldró para vê-lo e ele “sorriu dando o ar de sua graça. Lá há uma barraquinha que vende petiscos como o bolinho de tubalhau. O lugar é simples, mas o atendimento é muito bom.

Praia do Bode - Fernando de Noronha

Praia do Bode – Fernando de Noronha

Piscininha natural da Praia do Bode

Piscininha natural da Praia do Bode

Pôr do sol no Mirante do Boldró

Pôr do sol no Mirante do Boldró

Clima em Maio

Maio já chove em Noronha. Logo, é normal chuviscar às vezes e rapidamente durante o dia. Pegamos somente metade de uma tarde de muita chuva. Nos outros dias, choveu rápido por duas noites. Além disso, tivemos um amanhecer bem nublado, mas não desanimamos jamais! Quando pensávamos que não ia fazer sol, lá vinha ele rachando! É claro que a cor da água fica muito mais bonita com sol. Sem contar que, nesta época, ele pode ficar mexido. Isso dificulta o snorkeling e a visibilidade, mas para quem se garante no mar dá para entrar. Ao contrário, mesmo com colete e nadadeira é bem cansativo. Contarei em breve, o dia em que não descemos no Sancho e passamos “sufoco” no Porto. Tudo isso por conta do mar mexido.

Mais fotos de Noronha, veja aqui no meu Facebook. Esperam que estejam gostando 🙂 Qualquer dúvida, só deixar quantos comentários quiser, combinado?

Bjs,

Aline

Anúncios
Sobre O Tour Nosso de Cada Dia (213 artigos)
Como bons jornalistas, gostamos de escrever. Aqui, vamos fazer uma espécie de bastidores das nossas viagens, expectativas, ansiedades, preparativos e muito mais. Esperamos dividir com você um pouquinho da nossa paixão (literalmente) por viagens.

15 comentários em Dica de passeio de barco em Fernando de Noronha

  1. Quero ir para Fernando de Noronha de barco, é possível? Sem que seja veleiro. Partindo de Recife o Natal..me tirem essa dúvida e o custo e tempo gasto.grata

  2. Olá. Eu também enjoo bastante e estou indo em Lua de Mel. Quais dicas vc me concede para fazer lá sem ser passeios de barco? Esse mergulho livre é na beira da praia? Obrigada.

    • Olá, Lais. No passeio de barco pra não enjoar basta tomar um remedinho de enjoo antes. Aqui no blog, temos dicas de outras atividades pra fazer em Noronha. Mergulho livre é fazer snorkel nas praias que tem vida marinha, como Sueste, Sancho e o pontal do Atalaia. Recomendamos que você leia os posta para saber mais informações e qualquer dúvida, deixe-nos um recado! 😉

  3. Oi adorei suas dicas! Estou indo próxima semana pra lá e enjôo bastante em barcos. Vou fazer o planasub e o batismo. Alguma dica pra me ajudar a não passar mal? Please.

    • Oi, Lívia. Fico feliz por ter gostado das dicas! Eu, Aline, costumo tomar uma hora antes um remédio para enjoo, como o Dramin que é bem conhecido. Ele dá um pouco de sono. Porém, é sempre bom lembrar que, antes de tomar qualquer remédio, você deve ver as contra indicações antes e consultar seu médico.

  4. Oi, Adorei as dicas! Onde posso encontrar o contato da empresa Atalaia ou do Barco da Marlene? Muito obrigado!

  5. Ei Aline. Gostei muito das dicas. Vou pra la em 7/15 em lua de mel e gostaria de saber se compensa comprar um pacote com os passeios da trilha incluso ou um pacote mais simples pra ir decidindo la.. eu e meu namorado somos MUITO aventureiros rsrs.

    • Oi, Alexia. Olha, as trilhas não precisam de muita coisa, não. Acho que vale a pena ir e decidir lá. Até para você ver diretinho no que precisa de ajuda, de guia, essas coisas. Lá tem agências que fazem, então você pode ir, ver, e fechar lá mesmo.

  6. Lavínia Correia // 11/09/2014 às 11:47 // Responder

    Bom dia,

    Gostaria de verificar com você se sai algum barco Para Fernando de NOronha de Natal? e os Valores?

  7. sandra christina // 11/06/2013 às 19:28 // Responder

    Lindo demais!!!!!

  8. Viviane Rosa // 08/06/2013 às 13:57 // Responder

    Oi Aline!
    Que pena que vc não conseguiu aproveitar por completo o passeio de barco. Se soubesse teria te dado a dica. Eu já sou prevenida e tomo dramin uns 30min antes dos passeios de barco. Tudo isso pq já passei vergonha e tive que alimentar os peixes hehe Geralmente fico enjoada no mergulho, pois rola todo um nervosismo antes. E vc não tem noção, dessa vez mergulhei no mar de fora onde o mar é muito mexido! Foi tenebroso.
    Sobre o plana sub, eu achei bem legal, mas digo que minha experiência não foi completa justamente por não fazer apneia. Todavia, faria de novo e arriscaria umas manobras. Eu fui sem colete, mas mesmo assim fiquei na superfície, pois o barco vai puxando e é só vc manter a pranchinha levemente virada para cima. Para as meninas, recomendo ir com o biquini bem preso e com camiseta. Apesar de não ser tão rápido assim, o biquini pode oscilar. Contratamos o plana sub exclusivo, sem o passeio de barco, por R$75, pois só tínhamos interesse nele e pq recebemos a dica que durava mais tempo, pois no passeio de barco diziam que durava apenas uns 20min (o nosso foi 1hr) e faziam em qualquer região onde às vezes não tem mta vida marinha (o nosso foi feito no Porto). Acho que é isso!
    Beijos.

    • Ótimo relato, Viviane! Obrigada! Eu fiquei com medo de não curtir o Aquasub, por isso investi no mergulho livre rs. Não sei nadar, mas fico tranqüila com snorkel e colete. Sem colete pra mim não dá rs. Realmente mar mexido é um problema. Como eu disse, tem que se garantir bastante para a volta ainda mais.

3 Trackbacks / Pingbacks

  1. Dicas de Fernando de Noronha | O tour nosso de cada dia nos dai hoje...
  2. O que você precisa saber assim que desembarcar em Noronha | O tour nosso de cada dia
  3. Fernando de Noronha: ‘O paraíso é aqui’ | O tour nosso de cada dia

Ficou com alguma dúvida ou quer elogiar? Deixe-nos um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: