Dicas para visitar Israel: confira um guia completo com o que você precisa saber antes de ir à Terra Santa

Dicas para visitar Israel

Israel é um país que oferece uma riqueza cultural, religiosa e histórica absurdamente incrível.  Quando se ouve falar do país, pensa-se logo em Jerusalém. Mas o supreendente é que o destino atrai diferentes tipos de viajantes: do religioso, passando por quem curte natureza, àquele que ama conhecer o lado cultutal e histórico de um local. Se você busca espiritualidade, além de Jerusalém que é berço das 3 religiões monoteístas (cristianismo, judaísmo e islamismo), vale conhecer a Galileia, Nazaré, além dos territórios palestinos de Belém e Jericó.

Os que gostam de praia e vida norturna poderão se apaixonar pela cosmopolita e moderna Tel Aviv, além do belísimo balneário de Eilat que a gente amou demais! Já os adeptos a trilhas e natureza, irão se surpreender com paisagens surprendentes que vão do deserto de Negev ao Mar Morto. E sítios arqueológicos, como em Masada, Acre e Cesareia Marítima prometem agradar quem curte história.

Dicas para visitar Israel

Sem dúvidas, Israel é o contraste entre o antigo e o moderno. E, para nós, o destino foi uma experiência pra lá de memorável. Eu, Aline, por ser Católica sempre tive o sonho de viajar para a Terra Santa. Foi emocionante demais caminhar sobre as pegadas da história, seguindo os passos de 4 mil anos atrás de Abraão, 3 mil anos atrás do Rei Davi, de 2 mil atrás de Jesus e de 1 mil anos atrás dos Cruzados.

Espero poder mostrar um pouquinho disso para você com nossa série de posts com dicas de viagem para Israel como: o que fazer em Israel, onde comer em Israel, guias brasileiros em Israel, roteiro de Israel e muito mais! Neste primeiro post, apresento a você um Guia de Israel COMPLETO que apresenta um panorama geral, com tudo sobre o que você precisa saber antes de fazer as malas.

Dicas para visitar Israel

Precisa de visto para Israel?

Brasileiros não precisam de visto para Israel. O seu passaporte precisar ter, pelo menos, 6 meses de validade a partir da entrada em Israel.  Ao entrar no país, você NÃO vai ganhar o carimbo no passaporte (uma pena para quem gosta de colecionar como a gente). O visto em Israel dá permissão para você ficar como turista por até 3 meses. Ele é em forma de papel e você não pode perdê-lo. Nós guardamos ele na última folha do passaporte preso num clip. Mas você pode estar se perguntando: por que não há carimbo no passaporte? Porque se você tiver o carimbo israelense no passaporte não será permitido entrar em países como o Líbano, a Síria, a Arábia Saudita, o Iraque e o Iêmen, que são considerados inimigos de Israel.  Outra informação: não é exigido o Certificado Internacional de Vacina Contra Febre Amarela, mas nós levamos mesmo assim.

Dicas para visitar Israel

Quanto custa uma passagem para Israel

O país não é um lugar que costuma ter viagens baratas, mas nós conseguimos uma promoção de passagem para Israel excelente! Pagamos apenas US$ 300! COnvertendo deu R$ 1330 com taxa por pessoa! IMPERDÍVEL, não foi mesmo? Compramos as passagens em maio de 2016 pela Air Canada. Geralmente, um voo para Israel custa em média 4 mil reais, ou até mais. Mas mesmo que você não consiga uma passagem barata, vale cada centavo ir para lá, acredite!

Dicas para visitar Israel

Como chegar em Israel

Não há vôo direto do Brasil para Israel. O país fica no Oriente Médio e brasileiros podem sair da Europa (por volta de 4 horas de voo) ou EUA (9 horas da Costa Leste).  O aeroporto Internacional de Ben Gurion é o maior de Israel e fica a apenas 20 km de Tel Aviv e 57 km de Jerusalém. Um dos trajetos mais rápidos para uma viagem a Israel saindo do Brasil é por São Paulo, indo para Istambul e de lá para Tel Aviv.  A companhia é a Turkish Airlines opera com voos diários (cerca de 16 horas de voo) saindo do aeroporto e Guarulhos em São Paulo. O aeroporto Ben Gurion é o 4º mais seguro do mundo. Confira em breve post sobre nossa experiência na imigração em Israel e como sair do aeroporto.

Ben Gurion Airport

Ben Gurion Airport – Foto linda do meu amigo Thiago Costa

Qual melhor época para visitar Israel

Israel pode ser visitado em qualquer época do ano, porém duas coisas devem ser levadas em consideração ao planejar a viagem para a Terra Santa: clima e feriados. Apesar da maior parte dos dias ser quente e ensolarado, o inverno em Israel é a estação mais chuvosa e pode ser frio, especialmente à noite e em regiões mais altas como Jerusalém. Por ser um país menor que muitos estados brasileiros, a geografia faz como que haja grandes variações climaticas de uma região para outra.

A alta temporada em Israel acontece nos meses de julho e agosto, que é o verão.  A média temporada é de outubro a novembro e de março a junho E a baixa temporada em Israel vai de dezembro a fevereiro, que é o inverno. Nós viajamos no final de março e pegamos um friozinho de 11 a 15 graus a noite e temperaturas ótimas de dia em Jerusalém. Eilat e Tel Aviv pegamos apenas sol e temperatura ótima à noite. Já no Norte de Israel, visitamos em dois dias e também com temperatura agradável, na casa dos 23 graus.

Dicas para visitar Israel

Fortaleza Masada – Deserto da Judeia

Além da temperatura, vale lembrar que o país é um destino com muito foco religioso. Antes de planejar uma viagem para Israel , é recomendável saber sobre as festividades dos judeus e cristãos. As festividades deixam os locais sagrados, restaurantes e hoteis lotados e, consequentemente, o preço de tudo mais alto. Em razão do calendário judaico ser diferente do Gregoriano (utilizado no Brasil), é essencial conferir quando cada feriado vai cair, pois as datas mudam de acordo com os anos. No Calendário Judaico, o Rosh Hashaná (comemoração do Ano Novo Judaico) ocorre, normalmente, no final de setembro e início de outubro e o primeiro dia do Tishrei, primeiro mês do calndário, tem dias importantes de comemorações para os Israelenses, que costumam tirar férias nessas datas e em outras.

A primavera em Israel também é marcada por diferentes datas comemorativas para os judeus, como o Purim (março), Pessach, que é a Páscoa judia (abril) e o Dia da Independência (final de abril início de maio). As datas de festividades católicas são iguais ao Brasil, como por exemplo, a Semana Santa e o Natal que deixam Jerusalém lotada, principalmente as ruas da Via Sacra em que algumas fecham.

Mar vermelhorem Eilat - ccidade ao sul de Israel

Mar vermelho em Eilat – ccidade ao sul de Israel

Quantos dias ficar em Israel

Um roteiro de 10 dias em Israel é o mínimo que nós recomendamos. Mas tudo depende do que você quer conhecer. Eu, Aline, ficaria 1 mês ou mais :). Nosso foco na viagem era religioso e cultural. Ao total, ficamos 11 dias no país em 3 dias no Egito. Em Jerusalém reservamos 6 dias (sendo um dia inteiro em Belém e Jericó  – Palestina – e outro para a Mar Morto e Masada), 3 dias em Tel Aviv (sendo 2 para fazermos bate a volta por Cesareia Acre, Haifa, Galiléia, Nazaré) e 2 dias em Eilat (sul de Israel), pois de lá fomos a Sinai e Cairo (Egito).  O país é pequeno e fácil de conhecer de carro e por conta própria. Quem vai por excursão, costuma-se indicar um roteiro de 7 dias para Israel.

Confira aqui o que fazer em Israel: um roteiro de 10 dias pelo país

Cesareia Marítma - Norte de Israel

Cesareia Marítma – Norte de Israel

Igreja do Santo Sepulcro e Jerusalém

Igreja do Santo Sepulcro e Jerusalém

Onde ficar em Israel

Hospedagem em Israel é cara, especialmente em alta temporada e feriados. Nossa maior dica é: escolha uma hospedagem em Jerusalém próxima à Cidade Velha, em bairros judeus ou em Jerusalém Ocidental – ou Jerusalém Moderna – como também  é conhecida. E foi nesta região que ficamos. Nela há a maior parte de hospedagens tipo boutique entre hoteis maiores. Os bairros árabes de Jerusalém tem hospedagens mais em conta, porém é rodeado de feiras e comércio que ao serem fechados deixam as ruas desertas à noite, além de ter poucas opções para comer. Já os bairros judeus e de Jerusalém Ocidental têm mais movimentos e policiamento, sendo um das razões das hospedagens serem mais caras. Ficamos no Paamoim que tem ótima relação custo-benefício e boa localização em Jerusalém, perto da Yafo Street, onde passa o sistema de transporte VLT. O local é cercado por lojas, restaurantes e sempre tem muita gente indo e vindo seja cedo ou tarde da noite.

Paamoim Hotel - Jerusalém

Paamoim Hotel – Jerusalém

Yafo Street - Jerusalém Ocidental

Yafo Street – Jerusalém Ocidental

Há também hospeagem barata em Israel e nós fizemos duas boas escolhas. Em Tel Aviv ficamos no Abraham Hostel e gostamos demais. O hostel é totalmente limpo, organizado e fica em uma área excelente de Tel Aviv. E Em Eilat ficamos em uma casa muito charmosinha, o Guest House Custo Dive Resort. Depois vamos postar todos os detalhes de cada um deles aqui no blog.

Para visitar o Norte de Israel é recomendável escolher uma hospedagem em Tiberíades ou Haifa, pois ambas cidades oferecem boas opções de hoetis e têm boa estrutura. As regiões que visitamos no Norte, fizemos bate a volta de Tel Aviv. Confira aqui como foi o nosso roteiro.


Ao realizar uma reserva pelo Booking aqui neste link, você estará nos ajudando a manter o blog no ar sem custos adicionais a sua tarifa. ❤ 🙂


Como se locomover em Israel

Viajar em Israel fica muito mais prático alugando um carro, ainda mais para visitar o Norte e Sul do país. Use e abuse do Waze! Ele é israelense e funciona perfeitamente. Jerusalém é o único local que dispensa carro e você conhece a pé, mas pode contar com o VLT que é o trenzinho que circula por vários bairros. Para quem não dirige, pode se deslocar de ônibus de Jerusalém para Tel Aviv, ou para Eilar por exemplo. A Egged é a principal empresa interestadual e a de trem é a RailWays.  Em ambas, as passagens não podem ser adquiridas online, pois é necessário ter ID israelense, mas você pode adquirir direto em guiches nas estações de trem ou rodoviárias.  

ônibus da Egged saindo do aerporto Ben Gurion para Jerusalém

Ônibus da Egged saindo do aerporto Ben Gurion para Jerusalém

Os Sheruts em Israel são vans compartilhadas super populares entre os israelenses. Mas os turistas mais conservadores podem não curtir esta opção. Eles saem das rodoviárias central de Israel e não têm horários fixos nem paradas fixas, e sendo assim, basta pedir para descer onde deseja. A vantagem é que os sheruts funcionam todos os dias, inclusive no Shabbath.

O táxi em Israel têm taxímetro, mas a maioria quer fazer corrida com preço fechado. Não aceitamos isso jamais! Solicitamos táxi pelo aplicativo Gett e foi super seguro. Ele só serve para chamar o carro e não dá descontos na tarifa, porém cliente novo pode usufruir de códigos de descontos que o app oferece. Vale lembrar que o Uber não funciona bem em Israel.

Como vocês sabem, nós não dirigimos. Então, se você também não dirige ou não quer se preocupar com estrada, pode contratar serviço de tour por excursão em grupo. Aqui no site do Ministério do Turismo de Israel há como você achar uma empresa. De Jerusalém para Masada, fizemos pela Rent a Guide e gostamos muito. Você também pode fazer como nós e contratar um guia particular com carro ou van próprio. No nosso roteiro, a gente mostra como um guia é INDISPENSÁVEL. Confira um pouco abaixo a indicação dos guias que fechamos.

Como é dirigir em Israel

Basta ter habilitação para poder dirigir em Israel. A direção no país é à direita e a sinalização está em hebraico, árabe e inglês. O limite de velocidade nas estradas israelenses é de 90-110 km/h em rodovias interurbanas, 80 km/h em estradas interurbanas e 50 km/h em áreas urbanas. Em territórios palestinos, como Belém e Jericó, não recomenda-se entrar de carro, pois o seu carro alugado em Israel não tem seguro com cobertura para a Palestina. Nós até conhecemos pessoas que foram e não tiveram problemas, porém se acontecer qualquer dano com o carro o prejuízo é enorme. Fomos com um motorista israelense e árabe e foi super tranquilo. No post que faremos futuramente sobre Belém e Jericó contaremos como você pode fazer para contratar um motorista para te levar nesses lugares e como chegar até a fronteira em Belém, que fica pertinho de Jerusalém, e de lá pegar um taxista árabe.

Placa de alerta em Jericó

Placa de alerta a cidadãos judeus em Jericó – Palestina

É permitido dirigir de Israel para o Egito ou Jordânia. Falaremos à respeito do Egito, por onde passamos: pela fronteira de Eilat (Israel) com Taba (Egito) o turista que for sem visto só irá conseguir permisão para ir até a região do Sinai. Além disso, não é recomendável dirigir por lá, mas sim contratar um tour privado. Em breve contaremos tudo nos posts do Egito e linkaremos aqui.

Israel é um país seguro ?

Sim! Demais! Bem mais do que a gente pensa antes de viajar, Israel é um país seguro para o turismo. Nós andamos muito tranquilos, porém sem dar moles. Não é porque saímos do Brasil que vamos deixar de ter atenção e cuidados básicos. Tanto de dia quanto à noite, caminhamos, sem medo, por Jerusalém, Tel Aviv e Eilat. Reparamos inclusive, que os israelenses andam tranquilos e sem aspecto algum de pânico. É claro que existe risco de atentados, mas a chance é muito menor se compararmos com a violência nas grandes capitais brasileiras. Antes de viajarmos, o Thiago ficou muito preocupado com essa questão, mas eu pesquisei demais e conversei com muitos amigos do grupo Brasil Israel, que foram brasileiros que aproveitaram também a mesma promoção de passagem, e com quem trocamos muitas informações durante um ano.

É super normal ver a todo tempo muitos soldados armados pelas ruas de Israel, como também em praias e shoppings. Já no seu segundo dia você se acostuma com eles e não é preciso ter medo. Aliás, você pode tirar fotos, desde que peça antes, com educação. Um deles se recusou, mas foi super educado comigo ao negar a foto. Os soldados recrutas, mais jovens, costumam curtir mais a ideia de foto. O exército israelense é um dos mais bem treinados do mundo e garante a segurança de forma muito bem feita, principalmente em locais turísticos. Jovens israelenses, sejam homens ou mulheres, são obrigados a prestar serviço militar aos 18 anos, exceto os judeus ultraortodoxos, cidadãos árabes ou mulheres casadas. Há alguns lugares também com detector de metais e revista geral na entrada, como por exemplo, o Muro das Lamentações e os shoppings.

Dicas para visitar Israel

Não deixe que o medo ou falta de informação permitam você desistir de visitar Israel! Os locais turísticos não têm conflitos há muito tempo e as áreas de alto risco são longes de onde você vai visitar. Além disso, nós turistas não somos alvos desses tristes conflitos religiosos, políticos ou geográficos. Única recomendação que damos é se informar da situação atual durante o planejamento de viagem a Israel e na época que você vai visitar a Terra Santa. Do mais, vá tranquilo e curta cada segundo deste lugar mágico! 😉

Guia particular em Israel

Contratar um guia particular em Israel vai fazer TODA diferença em sua viagem à Terra Santa, seja ela com objetivo religioso ou não. Os preços são um pouco salgado para nós que ganhammos em real, mas se você for com um grupo grande é bem mais em conta, pois pode dividir o valor. Nós fechamos com dois guias brasileiros em Jerusalém que são profissionais sérios e registrados pelo Ministério do Turismo. Com um guia em Israel, você indica os ugares que deseja visitar, fazendo o seu próprio roteiro e horário com ele. Além disso, o diferencial de ter um guia para viagem a Israel é poder mergulhar nas ricas explicações.

Aline Szewkies que nos guiou em Jerusalém. Telefone: +972 52-7027085 – Email: alinetourism@gmail.com – Instagram: @alineguiaemisrael

Guia em Jerusalém Aline Szewkies

Márcio Kramer que nos levou para conhecer o Norte de Israel. Telefone: +972 52-4320549 – Email: kramer.marcio@gmail.com – Instagram: @marciokramerseuguiaemisrael

Guia em Israel Márcio Kramer

Qual a moeda em Israel

A moeda de Israel é o Novo Shekel Israelense (NIS) e costuma-se falar somente Shekel. As notas são de 20, 50,100 e 200 e também há moedas em valores de 1, 2, 5, 10, 20. O câmbio de dólar para shekel é de 1 para 4, mais ou menos, e não costuma variar muito.  Nós não achamos locais para comprar Shekel no Brasil, então encontramos casas de câmbio em Jerusalém com dólar por 3.60 NIS. Já o câmbio no aeroporto de Tel Aviv também não é ruim – 3.55 NIS. (março/2017). Para se ter uma ideia de quanto custa 1 real, ele equivale a 1,15 shekels.

Todos os locais em Israel aceitam cartões de créditos e há máquinas 24 horas diversas localidades. É comum dar gorjetas em Israel, apesar dos 10% usuais representar um valor um pouco baixo. Uma taxa de serviço pode ou não ser adicionada à sua conta no restaurante. Quando não for incluída, em lugares de melhor qualidade espera-se uma gorjeta de 12-15% que é o mais comum entre os israelenses.
Para saber o câmbio, veja: http://www.bankisrael.gov.il/en/Pages/Default.aspx

A moeda de Israel é o Novo Shekel Israelense

A moeda de Israel é o Novo Shekel Israelense

Fuso Horário em Israel

O fuso horário é de 5 horas a mais em relação ao horário de Brasília (4 durante o horário brasileiro de verão e 6 horas durante o horário de verão israelense).

Por do sol em Tel Aviv

Pôr do sol em Tel Aviv

Língua oficial em Israel 

As línguas oficiais em Israel são o hebraico e o árabe. Nas placas de trânsito, e até de rua, a escrita na maioria das vezes são nas três línguas. O inglês é falado bem Israel em diversos lugares, porém encontramos locais sem cardápio em inglês e com pessoas que sabem o básico. Mas é tranquilo se comunicar com alguns e, mesmo que pareça complicado um diálogo, mostre simpatia, e diga que é brasileiro que você consegue a informação desejada. Nós não tivemos problemas alguns com judeus ou muçulmanos.

Dicas para visitar Israel

Rua em um bairro arábe em Israel

Como se vestir em Israel

Que tipo de roupa usar em Israel? Não há grandes segredos para o dress code. Em Jerusalém há muitos locais sagrados seja para cristãos, judeus ou muçulmanos. Não existem grandes restrições, mas tudo depende do local e do bom senso do turista. Como por exemplo, para visitar uma mesquita árabe é necessário um lenço para que mulheres cubram a cabeça e roupas que cubram o corpo, e no Santo Sepulcro não permitem entrar de bermuda. No Duomo da Rocha (foto abaixo), até alguns tipos de botas nós vimos sendo deixadas na entrada. No post de diquinhas básicas a gente vai orientar em como ir pra lá.

Independente de sua religião, por respeito, é recomendável usar uma roupa discreta e o que levar na mala para Israel vai depender muito do gosto de cada um, salvo algumas peças. Para mulheres, evite roupas curtas, justas, decotadas, transparentes, shorts e vestidos sem mangas. Já para os homens, bermuda, boné e camiseta nem pensar. Em locais como a tumba do rei Davi e o Muro das Lamentações será exigido a colocação do “Quipá”, que eles mesmo providenciam.

Duomo da Roccha

Duomo da Roccha

Se for passear pelo bairros dos judeus ortodoxos, é melhor apostar em uma vestimenta escura. Os homens por lá vestem terno escuro e um grande chapéu preto, faça o calor que for. Nós não fomos, mas ouvimos dizer que eles são um pouco radical e costumam olhar torto para quem circula por lá com roupa colorida, ou quem não esteja com uma roupa adequada. Já em Tel Aviv não há dress code e você pode andar à vontade, inclusive com roupa de praia.

Dicas para visitar Israel

Entrada para o Muro das Lamentações e Duomo da Rocha

A semana israelense

Os dias úteis em Israel vão de domingo à quinta-feira, e o final de semana é sexta-feira e sábado. Para os muçulmanos, o dia de descanso é a sexta-feira. Já para os judeus é o sábado e para os cristãos o domingo. No entanto, é mais comum encontrar tudo fechado aos sábados, devido ao Sabbath, que é o dia sagrado da semana porque Israel é um Estado judeu. Ele começa no pôr do sol de sexta-feira e termina ao pôr-do-sol de sábado. Nesse período quase tudo está fechado, ainda mais em Jerusalém. Você vai encontrar poucos locais abertos para comer, mas táxis circulam normalmente. Já em Tel Aviv, o Sabbath já é um pouco mais tranquilo para achar restaurantes abertos. Fomos de Tel Avi para Eilat pela rodoviária e ela só abriu a partir de meio dia de sábado. Por esta razão, sempre planeje suas atividades e atrações a visitar levando em consideração o Sabbath.

Comida em Israel

O que comer em Israel? Fizemos muitas vezes essa pergunta. A culinária em Israel é muito diversificada e para nós a experiência foi boa. Por sermos chatinhos para comer, achamos que fosse ser difícil se jogar na culinária local, mas arriscamos e aprovamos. E foi a melhor coisa, afinal essa é uma forma de vivenciar uma parte da cultura do país. Experimentamos comida árabe, mediterrânea e até culinária Kosher. Os pratos mais comuns são humus (pasta de grão de bico ), falafel (bolinho de grão de bico), shawarma (sanduíche de carneiro ou peru com pão pita, pastas e vegetais), Snitzel e para beber suco de romã. 

O Kosher rege o preparo da culinária judia, baseada no Torah que é o livro sagrado dos judeus. Há uma série de alimentos ou misturas dos mesmos que não podem ser consumidos pelo povo judeu, como por exemplo, carne de porco e seus derivados. Comemos hamburguers com carne Kosher e gostamos, mas a carne do Mc Donalds é um pouco estranha. Em Tel Aviv é mais fácil achar locais que não seguem tanto a tradição.

A comida em Israel é cara, mas para os padrões do Rio de Janeiro onde vivemos não nos assustamos tanto. Pagamos em média de 100 a 130 Shekels uma boa refeição. Em breve, linkaremos aqui os lugares onde comemos, com dicas de onde comer barato em Israel e o que achamos em geral.

Comida mediterrânea

Comida mediterrânea

Eletricidade em Israel

Em Israel a tensão elétrica é de 220 volts na maioria dos locais. Grande parte das tomadas têm  três pinos. Nós levamos um adaptador universal padrão, mas nem precisamos utilizá-lo.

Como usar Internet em Israael

Os pacotes de roaming das operadoras brasileiras para uso de um plano no exterior costumam ser absurdamente caros e sem vantagens. Desta forma, a melhor opção é desativar todas as funções de dados do aparelho. Viajamos desta vez com o chip da EasySim4You e saímos já do Brasil com ele habilitado. Até mesmo para quem irá usar o GPS para dirigir é fundamental ter um plano de dados em Israel. Como usamos muito a internet para postar no Instagram, foi uma ótima opção.

Em alguns momentos a internet era lenta e até entramos em contato com o suporte, que é totalmente em português e responde por e-mail super rápido. Fomos informados que a velocidade em Israel oscila entre 2G/4G/LTE.  Mesmo com lentidão, era só ter um pouco te paciência que funcionava. E vocês viram que subimos muuuitos vídeos no stories do Instagram, não foi mesmo? Não queríamos abrir mão de mostrar tudo em tempo real e conseguimos. 🙂 Por isso, recomendamos a EasySim4U e, desde então, nos tornamos afiliados do serviço.


Confira aqui os 140 países que tem cobertura, os planos e valores e vá viajar com seu chip já habilitado. Adquira já! 


Igreja do Primado de Pedro na beira do Mar da Galileia

Igreja do Primado de Pedro na beira do Mar da Galileia

Embaixada do Brasil em Tel Aviv

Rua Yehuda HaLevi, 23, 30o andar
Tel Aviv – 65136
http://telaviv.itamaraty.gov.br/pt-br/
Tel.: (+9723)/(03) 797-1500

Informações turísticas de Israel: http://www.goisrael.com.br/ 

Dicas para visitar Israel

Reserve sua hospedagem no Booking aqui pelo blog! O preço da tarifa não muda e nós ganharemos uma pequena comissão com a sua reserva. Por isso, se você, leitor, gostou deste post e curte as nossas dicas e roteiros, ao realizar uma reserva aqui neste link, você estará nos ajudando a manter o blog no ar. 🙂

Qualquer dúvida, deixe um comentário que será um prazer respondê-los!

Shalom 😀

Anúncios
Sobre O Tour Nosso de Cada Dia (212 artigos)
Como bons jornalistas, gostamos de escrever. Aqui, vamos fazer uma espécie de bastidores das nossas viagens, expectativas, ansiedades, preparativos e muito mais. Esperamos dividir com você um pouquinho da nossa paixão (literalmente) por viagens.

8 comentários em Dicas para visitar Israel: confira um guia completo com o que você precisa saber antes de ir à Terra Santa

  1. Taisa Garcia // 09/05/2017 às 19:53 // Resposta

    Olá Aline , seu Post está maravilhoso.

    Por favor quanto te custou a guía para Jerusalem, se você puder falar?
    Estou indo com minha família para Israel em Julho, quero muito ir ao mar morto e massada, o que fica mais em conta , um guia ou teria outro meio mais viável?

    Agradeço sua atenção, bjs
    Taisa

    • Oi, Taisa! O post sobre roteiro e guia vai sair essa semana. O preço varia de acordo com a época e local a se visitar. Ideal é montar um grupo grande para sair mais em conta. Se vocês dirigem, dá pra ir a Mar Morto Masada com carro alugado. Nós fomos com uma agência e vamos indicar no post que sairá ainda esta semana. Então, você poderá conferir todas essas dúvidas, ok? Bjs

  2. Oi Aline! Parabéns pelo relato. Ele está do jeitinho que eu gosto: bem detalhado e cheio de belas fotos…rsrs. É sempre uma delícia acompanhar as andanças de vocês pelo mundo afora. Bjs.

  3. Andresa Pradella // 04/05/2017 às 16:21 // Resposta

    Aline, ameiiiiii!! Ficou super interessante, principalmente para quem está com passagem marcada para lá!!

  4. Nossa, Aline!!! Parabéns pelo post, que guia completão!!! Amei!! Ansiosa pelos próximos!!
    Beijosss, Larissa

1 Trackback / Pingback

  1. O que fazer em Israel: roteiro de 10 dias pelo país – O tour nosso de cada dia

Ficou com alguma dúvida ou quer elogiar? Deixe-nos um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: