O que fazer em Israel: roteiro de 10 dias pelo país

dicas de jerusalem

O que fazer em Israel? As respostas são tantas que é mais fácil montar um roteiro de viagem, planejando tudo o que é possível aproveitar nesse país tão rico. Nesse post, temos dicas de Israel, os principais pontos turísticos, o que fazer em cada dia.. Enfim, tudo o que você precisa saber de Israel. Não é uma viagem barata, e você provavelmente não terá a sorte de encontrar muitas passagens promocionais, mas vai valer cada centavo investido. 🙂

Dicas para visitar Israel: confira um guia completo com o que você precisa saber antes de ir à Terra Santa

Israel é um destino fantástico que mistura histórias milenares, culturas e fé. Um país que vai além de roteiros religiosos, mas que ao mesmo tempo é totalmente significativo para várias religiões. Viajar para Israel é poder experimentar um destino surpreendente. O país é pequeno e fácil de conhecer de Norte a Sul e oferece paisagens naturais lindas, museus, praias, sítios arqueológicos…Um destino incrível e emocionante! São mais de 2 mil anos de história que se mantém até hoje e atrai turistas do mundo inteiro. Relativamente jovem, Israel foi reconhecido como independente em 1948, servindo de retorno para os judeus que por quase dois mil anos se espalharam pelo mundo, expulsos pelos romanos.

Monte das Oliveiras

Monte das Oliveiras

Neste post, vamos mostrar a nossa sugestão de roteiro de 10 dias em Israel. Assim que chegamos, era um final de tarde e aproveitamos para fazer câmbio e passear pelo Mercado Mahane Yehuda, que é um mercado cheio de especiarias e fica em Jerusalém Ocidental, onde ficamos hospedados. Então, caso você chegue à tarde, ou final do dia, aproveite para fazer câmbio, andar um pouco pela região, ou até mesmo descansar. O melhor mesmo é começar seu roteiro no dia seguinte. Somos católicos e a nossa viagem teve foco religioso. Começamos por Jerusalém e conhecemos muitos locais que estão na Bíblia. Para fazer um roteiro religioso em Jerusalém, recomendamos no mínimo 3 dias por lá. E se você tiver mais tempo na cidade, aproveite para esticar a Massada e ao Mar Morto, além da Palestina (Belém e Jericó). Ambos locais são melhores para conhecer saindo de Jerusalém.

Dia 1: Tour pela Velha Jerusalém com a guia Aline Szewkies

A Cidade Velha de Jerusalém é um dos lugares mais sagrados do mundo, e andar por lá a pé é muito tranquilo. Porém, sem um guia para contar histórias e curiosidadades não é a mesma coisa. Você pode até viajar com um guia impresso, mas a riqueza nos detalhes das informações somente um guia local vai poder te dar. E a viagem se torna muito mais interessante! Nós nem cogitamos andar por Jerusalém sem guia. Fechamos com a guia Aline Szewkies, uma jovem gaúcha que mora em Jerusalém e dá um show nas explicações! Começamos o dia pelo famoso Portão de Jaffa, que é um dos 7 portões da muralha que cerca a cidade velha de Jerusalém. Passamos pela Torre de Davi e chegamos ao Bairro Armênio. Lá visitamos a Catedral Armênia de São Tiago. Os armênios foram os primeiros cristãos a chegarem em Jerusalém.

Portão de Jaffa - Jerusalém

Portão de Jaffa – Jerusalém

Torre de Davi

Torre de Davi

Bairro armênio

Bairro armênio

Catedral de São Tiago -Jerusalém

Catedral de São Tiago -Jerusalém

Em seguida, caminhamos até o Monte Sião, onde pudemos visitar a Abadia da Dormição (onde Maria caiu em sono eterno), e o local da Última Ceia que também foi o lugar onde ocorreu o Pentecostes. Por ali, ainda visitamos a Tumba do Rei David e seguimos para o Bairro Judaico, por onde passamos pelo Cardo, uma rua antiga que ainda há partes de colunas de 2 mil anos. Em seguida, ainda no bairro judaico, vimos a Menora de Ouro, e bem pertinho dela uma linda vista do Muro das Lamentações, Duomo da Rocha e Monte das Oliveiras.

Abadia da Dormição

Abadia da Dormição

Local da Última Ceia e Pentecostes

Local da Última Ceia e Pentecostes

Tumba do Rei Davi

Tumba do Rei Davi

Cardo - famosa rua do bairro judeu

Cardo – famosa rua do bairro judeu

Menorá de Ouro - Jerusalém'

Menorá de Ouro – Jerusalém

Vista do Muro das Lamentações

Vista do Muro das Lamentações

Por fim, descemos para visitar o Muro das Lamentações ( que momento único! Esse lugar é incrível de verdade) e depois passeamos pelo Bairro Árabe, onde há muito comércio e movimento. Lá fomos à Igreja de Santana e São Joaquim (pais de Maria) e no mesmo local visitamos o Tanque de Bethesda, onde Jesus curou um enfermo nas piscinas. Encerrando o dia, a guia Aline percorreu todos os pontos da Via Sacra conosco até o último, no Santo Sepulcro que fica no Bairro Cristão. Em breve você vai conferir aqui um post sobre a Via Sacra.

Emoção ao tocar no Muro das Lamentações

Emoção ao tocar no Muro das Lamentações

Pelas ruas do Bairro Árabe em Jerusalém

Pelas ruas do Bairro Árabe em Jerusalém

Uma das estações da Via Sacra

Uma das estações da Via Sacra

Santo Sepulcro

Santo Sepulcro

Tanque de Bethesda

Tanque de Bethesda

Dia 2: Tour pelo Monte das Oliveiras com a guia Aline Szewkies

Pegamos um táxi e fomos para o Monte das Oliveiras, que fica fora das muralhas de Jerusalém. Do nosso hotel (Paamoim) deu uns 10 minutos de carro. Lá, começamos pela Igreja do Pai Nosso. Eles cobram entrada de 10 NIS. Dali, bem ao lado fomos na Capela da Ascenção (5 NIS a entrada), onde acredita-se que Jesus subiu aos céus após sua ressurreição. Dentro dela há somente uma pedra datada de 2 mil anos. Descemos o Monte das Oliveiras e a nossa guia Aline parou conosco em um local lindo, em que conseguimos ver toda Jerusalém. De lá, ficamosmaravilhados em como andamos bastante no dia anterior e nem sentimos. Aline ainda nos levou para pegar raminhos de oliveira. 🙂

Igreja do Pai Nosso

Igreja do Pai Nosso

Vista de Jerusalém do alto do Monte das Oliveiras

Vista de Jerusalém do alto do Monte das Oliveiras

Monte das Oliveiras

Monte das Oliveiras

Capela da Ascenção

Capela da Ascenção

Fomos descendo um pouquinho e paramos no Santuário Dominus Flevit, que foi o local onde Jesus olhou para Jerusalém e chorou, antes de sua morte. A igreja tem formato de uma lágrima. Na mesma região, visitamos a Gruta de Getsêmani, onde há uma igreja católica, e eu amei o local.  Lá foi o local onde, segundo a tradição, Judas traiu Jesus com um beijo. No mesmo espaço tem a Igreja da Tumba da Virgem Maria onde há uma cripta que acredita-se que Maria foi enterrada e também subiu aos céus. Por último, passamos pelo Jardim de Getsêmani, local preferido de Jesus para orar e de lá a última parada bem ao lado foi na Basílica da Agonia, também conhecida como Igreja de Todas as Nações, onde há uma pedra cercada de espinhos de ferro, simbolizando o local em que Jesus se sentou e suou sangue. Só faltou ir à Igreja de Maria Madalena que estava fechada.

Santuário Dominus Flevit

Santuário Dominus Flevit

Gruta de Getsêmani

Gruta de Getsêmani

Jardim de Getsêmani

Jardim de Getsêmani

Descemos o Monte das Oliveiras e passamos pelo Portão de Damasco, que dá bem no bairro árabe na velha Jerusalém, ou Old City, como também é chamada. Almoçamos no restaurante que tem na terceira estação da via sacra, depois seguimos de táxi para o Museu de Israel (54 NIS/pessoa). Começamos visitando a maravilhosa maquete de Jerusalém. Nunca vimos nada igual! E sem as explicações da nossa guia, ela seria mais do mesmo. Foi ótimo ouvir a história de Jerusalém olhando aquela maquete! Entramos no Museu para ver os Pergaminhos do Mar Morto (não é permitido tirar fotos nesta parte), que são manuscritos da Bíblia de muitos anos, e também a menor Bíblia do mundo, a nano bíblia, que tem tamanho de um pontinho minúsculo. O museu é gigante e tem várias galerias. Como estava no final do dia e estávamos cansados, visitamos apenas a galeria judaica e ficamos encantados com o judaísmo.

Portão de Damasco

Portão de Damasco

Maquete Museu de Israel

Maquete Museu de Israel


Guia brasileira em Israel: Aline Szewkies:  Telefone: +972 52-7027085 – Email: alinetourism@gmail.com – Instagram: @alineguiaemisrael

Valor do tour por dia: US$ 280, independente da cidade. Valor não inclui transporte.


Guia brasileira em Israel: Aline Szewkies

Guia brasileira em Israel: Aline Szewkies

Dia 3: Tour por Jerusalém por nossa conta

Começamos o dia visitando o Duomo da Rocha. A visitação é de domingo à quinta (de 7h às 10h e 13h às 14h). Esses horários depende do verão ou inverno, então é bom checar antes de ir. Além disso, é essencial chegar, com pelo menos uma hora de antecedência, do horário de entrada, pois a fila é quilométrica e fora desses horários apenas muçulmanos podem entrar. O local é lindo e imponente! Vale lembrar que é proibido entrar com iPad, tatuagens expostas, bermuda, camiseta ou saia, artigo religioso cristão, bandeira de países entre outros. Na entrada, você passa por um detector de metais e por umas perguntas.

Duomo da Rocha

Duomo da Rocha

Caso algum objeto seu não seja permitido entrar, ficará na entrada em um armário que não é nada organizado. Por isso, já evitando esses itens acima, você não terá dores de cabeça. O local é sagrado para cristãos, muçulmanos e judeus.  Ali, foi contruído o primeiro Templo de Jerusalém, para os judeus acredita-se que foi o local do sacrifício de Isaac, filho de Abraão, e para os muçulamos, que Maomé ascendeu de seu voo noturno vindo da Meca. Não é possível entrar na cúpula dourada, que reflete muito ouro e é lindíssima! Um ícone de Jerusalém.

Duomo da Rocha

Duomo da Rocha

A segunda parte do nosso dia foi visitando o Museu do Holocausto que tem entrada gratuita. Colocamos no Google Maps e fomos de VLT, trem a céu aberto que circula em Jerusalém. Lá é muito triste, mas por outro lado um museu muito rico em história. Saindo dali fomos para Ein Karem, que fica há 15 minutos de ônibus do Museu do Holocausto e é um local cercado de vinhedos. Lá é o local onde João Batista nasceu. Visitamos tanto a igreja que marca o seu nascimento quanto a Igreja da Visitação, onde Isabel recebeu a visita de Maria, que proclamou a oração Magnificat, exposta em várias línguas pela pátio.

 Igreja daVisitação

Igreja daVisitação

Igreja de São João Batista Ein Karem

Igreja de São João Batista Ein Karem

Por último, fomos visitar as escavações do Muro das Lamentações. Compramos o ingresso (30 NIS/pessoa), no dia anterior, e reservamos para 17h30, pois há número limitado de pessoas para o tour, e por isso, é bom comprar com antecedência. É interessantíssimo conhecer um pouco da história do Templo de Jerusalém, que era protegido por uma grande muralha com quatro lados. O que hoje é o Muro das Lamentações é apenas uma pequena parte da face Oeste desta muralha, construída pelo Rei Herodes, o Grande. O tour é guiado e você pode escolher um guia que fale inglês ou espanhol. O restante da história do Templo de Jerusalém e do Muro das Lamentações a gente vai contar em outro post em breve. 😉

Por dentro do Muro das Lamentações

Por dentro do Muro das Lamentações

Por dentro do Muro das Lamentações

Dia 4: Massada e Mar Morto

Contratamos este passeio pela agência Rent a Guide e pagamos US$ 105 por pessoa. No valor já está incluso o valor do teleférico em Massada, que é uma fortaleza construída por Herodes no meio do Deserto da Judéia e fica a 1:45min de Jerusalém. Quem vai de carro, pode subir a pé. Mas olha… é alto e demora viu? Então, o mais cômodo é subir de teleférico. QUE lugar lindo, gente! (Em breve post completo sobre o local). A guia que foi conosco era ótima e falava em inglês e espanhol. Antes mesmo de chegar à fortaleza paramos em uma loja de cosméticos, AHAVA, que vende produtos com a lama mineral do Mar Morto que é maravilhosa. Gastamos 400 NIS (cerca de R$ 400), mas depois nos arrependemos de comprar lá, pois no free shop os produtos são mais baratos. Então, fica a dica! 😉 O tour pela fortaleza de Massada dura cerca de 1h30min. Depois temos por volta desse tempo para comer em um dos restaurantes de lá e assim retornar a Jerusalém. Leve água, protetor solar e vá com roupas leves se não for inverno! Lembre-se que é um deserto. 😉

Fortaleza de Massada

Fortaleza de Massada

Fortaleza de Massada

Fortaleza de Massada

Fortaleza de Massada

Fortaleza de Massada

Saindo de Massada em direção ao Mar Mort levamos 1h30min. O visual é sensacional!! Paramos na praia privada de Kalia e o acesso já está incluso no tour. Nem precisamos alugar armários. Fomos direto para a praia boiar no Mar Morto. Não dá pra ficar muito tempo, pois é muito salgado. Mas a sensação é bem legal. O mar Morto é o local mais baixo da Terra e está a mais de 400 metros abaixo do nível do mar.

Mar Morto - Kalia Beach

Mar Morto – Kalia Beach

Mar Morto - Kalia Beach

Mar Morto – Kalia Beach

Dia 5: Palestina – visitando Belém e Jericó

Belém é a cidade em que Jesus nasceu. Jericó a mais antiga do mundo (tem mais de 10 mil anos). Ambas ficam em Território Palestino e são lugares totalmente turísticos. Se você for visitar os lugares que todo mundo costuma ir não tem risco algum. O risco pode estar em pegar uma estrada que vá dar em Gaza, por exemplo. Preferimos contratar um motorista árabe que nos indicaram e foi a melhor escolha. O Ayman Abassi tem um carro enorme e nos cobrou US$ 300 para nos pegar em nosso hotel em Jerusalém e nos levar a essas cidades. Primeiro fomos a Belém, e visitamos o Campo dos Pastores, local onde moravam os pastores que foram anunciar o nascimento de Jesus. De lá, fomos para a Igreja da Natividade. A fila para tocar no local de nascimento de Jesus é enorme, mas uma emoção sem fim. Só depois que saímos de Belém que lembramos de visitar a Gruta do Leite, onde reza a lenda que enquanto Maria amamentava Jesus, uma gota de seu leite caiu no chão e, milagrosamente, tornou brancas as paredes da gruta. Também não fomos à Tumba de Raquel, mulher de Jacó que morreu dando a luz ao seu filho Benjamim. Pra quem quiser ir, fica próximo à entrada de Belém.

Check Point de segurança na entrada de Belém

Check Point de segurança na entrada de Belém

West Bank - muro em Belém

West Bank – muro em Belém

Campo dos Pastores em Belém

Campo dos Pastores em Belém

Local do nascimento de Jesus - Basílica da natividade

Local do nascimento de Jesus – Basílica da natividade

De Belém para Jericó, o Ayman passou pelo meio do Deserto da Judeia e pudemos parar lá no alto. Uma sensação única! É lindo! Vimos beduínos e pastores com suas ovelhas. Bem ao longe, avistamos cruzes que simbolizam a passagem de Jesus pelo deserto durante 40 dias. Primeiro paramos em uma parte do Rio Jordão que tem batismo mais para cristãos ortodoxos, mas nada impede de você se batizar lá. Em seguida, fomos conhecer a Árvore de Zaqueu. Primeiro passamos por uma árvore na rua mesmo, que simboliza esta passagem de Zaqueu. Depois, o Ayman nos levou a uma árvore  que tem somente o tronco protegido no quintal de uma igreja ortodoxa.

Deserto da Judeia

Deserto da Judeia

Deserto da Judeia

Deserto da Judeia

Batismo Rio Jordão - Jericó

Batismo Rio Jordão – Jericó

Árvore de Zaqueu - Jeric

Árvore de Zaqueu – Jericó

A última parada foi na Fonte de Eliseu, o homem que purificou as águas de Jericó. Paramos para almoçar no local, que tem um mini shopping com poucas lojas e um restaurante. Bem pertinho dali fomos conhecer o Monte das Tentações, onde acredita-se que Jesus foi tentado pelo diabo, de acordo com a Bíblia. É possível subir lá de teleférico, mas não quisemos.

Fonte de Eliseu

Fonte de Eliseu

Monte das Tentações

Monte das Tentações

Dica: Você pode até ir a Belém e Jericó por conta própria, porém se for de carro alugado vale lembrar que o seguro não cobre absolutamente nada. Nem um retrovisor quebrado. E, pelo que soubemos, os reparos são bem caros. De ônibus, saindo de Jerusalém, basta pegar o de número 5, perto do Portão de Damasco. Você vai descer no check point (parada de segurança) em Belém e de lá é aconselhável pegar um táxi. Mas o melhor mesmo é você já contratrar antes um taxista ou tour de excursão. Esse taxista com quem fomos tem um carro enorme, e se você for com um grupo de pessoas pode dividir o valor entre todos. Com ele, passamos pelos checks point sem parar, tampouco fomos revistados. Super tranquilo.


Contato do taxista Ayman Abassi: +972 54-633-9514 Facebook: https://www.facebook.com/ayman.zbedat.31

Valor do tour por Belém e Jericó: US$ 300


Dia 6: Via Sacra de manhã e seguimos para Tel Aviv

Em nosso último dia em Jerusalém, fizemos a Via Sacra pela manhã em oração. Se você tiver um dia livre em seu roteiro, aproveite para se despedir de Jerusalém andando por onde você já passou. A cidade cercada pelas muralhas é uma delícia para andar pelas ruas e vielas em meio aquelas pedras brancas. À tarde fomos para Tel Aviv e ficamos passeando pela praia pra ver o por do sol. OBS: demos uma volta por Old Jaffa, em Tel Aviv, pela manhã no dia que fomos para Eilat. De resto, não andamos muito pela cidade.

Via Sacra em Jerusalém

Via Sacra em Jerusalém

Por do sol em Tel Aviv

Por do sol em Tel Aviv

Dia 7: Caná da Galiléia, Nazaré Galiléia – Tabgha

Como a gente não dirige, precisávamos de um serviço de tour pelo Norte de Israel. Contratamos o guia brasileiro Márcio Kramer que mora em Israel há 20 anos e é um ótimo guia. Muito tranquilo e simpático, o Márcio conhece o Norte de Israel na palma da mão. Ele cobra US$ 500 dólares para ir dirigindo em seu carro ou US$ 400 se você alugar (necessário ter habilitação para alugar carro). Para nós brasileiros é um pouco puxado esse valor, ainda mais se for apenas um casal como foi nosso caso. Mas não abrimos mão. Ir com agência não íamos absorver tantas informações e conhecer diferentes lugares. O passeio é longo. Saímos de Tel Aviv às 9h e voltamos 20h. Ao todo foram 6h30 de estrada. Indo em grupo, você pode dividir esse valor com as pessoas e não vai pesar tanto no orçamento. O valor que o Márcio cobra é o mesmo cobrado por outros guias que fazem tour privado em Israel.

Começamos por Caná da Galileia. Renovamos voto de casamento na Igreja do Primeiro Milagre de Jesus, que foi transformar água em vinho. Eu, Aline, sonhava com esse momento. Foi simples, único e inesquecível! (Em breve relato completo aqui no blog). Nosso segundo destino foi a cidade de Nazaré e fomos direto para a Igreja da Anunciação, local em que Maria viveu e recebeu a mensagem do anjo Gabriel que seria a escolhida para ser a mãe de Jesus. Que igreja linda! Lá dentro tem pinturas de como diversos países vêem Maria. Saindo de Nazaré, é possível visitar o Monte Tabor, local onde foi a Transfiguração de Jesus e a Basílica da Transfiguração, porém não visitamos ambos lugares e seguimos viagem.

Renovação de votos Caná da Galileia

Renovação de votos Caná da Galileia

Igreja da Anunciação

Igreja da Anunciação

Começamos a margear o extenso Mar da Galiléia e a primeira parada foi em Tabhga, na Igreja da Multiplicação dos Pães e Peixes, local onde Jesus matou a fome das pessoas multiplicando 5 cestos de pães e 2 de peixes. Visitamos também o Barco do Mar da Galileia (20 NIS entrada), um local onde em 1986, um barco antigo como os da época de Jesus foi descoberto e retirado da lama ao longo da costa do Mar da Galileia, que é abastecido pelo Rio Jordão. Ainda em Tabgha paramos na Igreja do Primado de Pedro, onde segundo a tradição Jesus apareceu pela quarta vez depois da sua ressurreição. O local fica nas margens do Mar da Galileia e aproveitamos, é claro, para molhar nossas mãos nesse local onde Jesus costuma passar. Pelo caminho passamos por Magdala que é cidade de Maria Madalena.

Barco do Mar da Galileia

Barco do Mar da Galileia

Igreja da Multiplicação dos Pães e Peixes

Igreja da Multiplicação dos Pães e Peixes

 Igreja do Primado de Pedro

Igreja do Primado de Pedro

Mar da Galileia - Tabgha

Mar da Galileia – Tabgha

A próxima parada foi Carfanaum, vila pesqueira em que Jesus viveu e se reuniu várias vezes com seus discípulos. O local tem ruínas da época e nos fez lembrar como Jesus passava ali com seus discípulos durante seus ensinamentos. O Márcio nos levou em seguida ao Monte das Bem Aventuranças , num local total de paz e bem alto, de frente ao mar da Galileia, onde Jesus escolheu para proclamar as Bem Aventuranças. O último local do nosso dia foi no Recanto Batismal Yardenit, luga de batismo em que evangélicos e católicos costumam se batizar no Rio Jordão. Muita atenção: o local fecha às 17h e, caso você não vá se batizar, pode entrar normalmente para visitar. Chegamos em cima da hora, não nos permitiram alugar batas (você pode levar de casa ou se batizar de roupa), mas nosso guia deu um jeito, nos enrolamos em uma toalha de banho, com roupa por baixo, e renovamos nosso batismo.

Monte das Bem Aventuranças

Monte das Bem Aventuranças

Cidade de Carfanaum

Cidade de Carfanaum

Cidade de Carfanaum

Cidade de Carfanaum

Recanto Batismal Yardenit

Recanto Batismal Yardenit

Dia 8 : Cesaréia, Akko e Haifa

Também com o guia Márcio Kramer, começamos nosso dia na Parque Nacional da Cesareia, a Roma que Herodes construiu. A entrada custou 35 NIS por pessoa e lá dentro podemos ver o teatro, hipódromo, palácio e um aqueduto. Tudo isso levou 12 anos para ser construído e a história é sensacional. (em breve, vamos falar num post aqui no blog sobre o Norte de Israel). Muitas ruínas ainda da época estão no local que também já teve bastante restauração. Saindo da Cesareia, você pode visitar o Parque Nacional Megiddo (28 NIS), que é uma grande fortaleza construída pelo rei Salomão. No livro de Apocalipse refere-se como o local da “batalha final” no final dos tempos. (Armagedom). Também não fomos, mas nosso amigo Thiago foi e nos enviou uma linda foto.

Parque Nacional da Cesareia

Parque Nacional da Cesareia

Parque Nacional da Cesareia

Parque Nacional da Cesareia

Parque Nacional Megiddo

Parque Nacional Megiddo – Foto Thiago Costa

Dali fomos conhecer Rosh Hanikra que é umm Kibutz a 19 km de Akko e a 45 km de Haifa. Ela fica na fronteira de Israel com Líbano, mas não há passagem para dar um pulo lá. O local nada mais é do que uma formação geológica com diversas grutas bem à beira do mar Mediterrâneo. Por 45NIS, você desce de teleférico ao nível do mar e pode se sentir andando no centro da “Terra”, pois passa por dentro de túneis que ligam as cavernas, sendo que um dia tudo isso já foi coberto de água. O visual é muito bonito quando nota-se a abertura da gruta para o mar. Nesse local, durante a Segunda Guerra, escavaram um túnel que ligava Haifa a Beirute, mas que só funcionou por 5 anos, sendo interrompido na Independência de Israel em 1948. Um passeio que vale muito à pena!

Rosh Hanikra

Rosh Hanikra

Rosh Hanikra

Rosh Hanikra

Rosh Hanikra

Rosh Hanikra

Fronteira de Israel com Líbano

Fronteira de Israel com Líbano

Partimos em seguida para a cidade de Akko ou Acre como também é chamada. Depois de Jerusalém é a cidade mais antiga de Israel e a principal dos cruzados, que faziam o local como ponto principal de ligação à Europa. A Acre dos cruzados foi destruída por tropas árabes. Fizemos um passeio pela old city que são ruínas de uma fortaleza onde há comércio, mesquitas e até pessoas morando. Um passeio rápido de lancha por 15NIS consegue-se ver parte da fortaleza.

Fortaleza cruzada em Akko

Fortaleza cruzada em Akko

Cidade de Akko

Cidade de Akko

Por último paramos em Haifa, que fica ao Norte de Israel e é a terceira maior cidade do país. Na maior parte de sua história, já foi porto e hoje é um grande polo industrial, uma cidade laica e a única que os ônibus funcionam aos sábados, no Shabbath. Em Haifa, passamos pelo Santuário Bahaísta que é cercado de um jardim muito bem cuidado. Seus seguidores acreditam que religião alguma tem monopólio da verdade e almejam conciliar os ensinamentos de todos os homens santos. Bahaullá é a figura central do bahaísmo, e está enterrado no final onde há uma cúpula dourada. Ele é considerado por seus discípulos o mais recente mensageiro de Deus. Só é possível acessar o local até este portão preto. Pra quem achava que em Israel só havia apenas 3 religiões monoteístas, esse lugar prova que não. 😉

Vista da cidade de Haifa

Vista da cidade de Haifa

Santuário Bahaísta em Haifa

Santuário Bahaísta em Haifa

Em Haifa você pode visitar também o Mosteiro de Stella Maris que fica no cume do Monte Carmelo. O local celebra a Sagrada família e o profeta Elias, que segundo a tradição se hospedou por ali algumas vezes. De lá, pegando um teleférico (30 NIS), é possível visitar a Caverna de Elias, que além da associação com o profeta Elias identifica-se como o local onde a Sagrada Família descansou ao voltar do Egito. Fora de Haifa, há ainda o Mosteiro do Profeta Elias (Deir al-Muhraka). O local comemora a luta dele contra os sacerdotes de Ba’al. Não fomos a ambos locais, mas nosso amigo Thiago Costa foi e nos enviou as fotos abaixo.

Mosteiro do Profeta Elias (Deir al-Muhraka)

Mosteiro do Profeta Elias (Deir al-Muhraka) – Foto Thiago Costa


Guia brasileiro em Israel: Márcio: Telefone: +972 52-4320549 – Email: kramer.marcio@gmail.com – Instagram: @marciokramerseuguiaemisrael


Guia em Israel Márcio Kramer

Guia em Israel Márcio Kramer

Dia 9: Eilat

Pegamos um ônibus na rodoviária de Tel Aviv, 690, da linha Egged e fomos para Eilat, sul de Israel. Pagamos 70 NIS por pessoa e fomos em um ônibus normal, sem banheiro, mas que faz parada para lanche e ida ao banheiro. Fizemos 5 horas de viagem pelo maravilhoso Deserto da Judeia. Chegamos quase no final da tarde, deixamos nossas malas e fomos passear pela orla onde ficam os restaurantes, hoteis e lojas. Nós ficamos apaixonados por Eilat! O balneário é muito bom para passar o dia. (em breve post completo de dicas aqui). Eilat faz fronteira com Egito e Jordânia.

Eilat - sul de Israel

Eilat – sul de Israel

Eilat - sul de Israel

Eilat – sul de Israel

Eilat - sul de Israel

Eilat – sul de Israel

Dia 10: Eilat

Fomos pela manhã ao Coral World Underwater Observatory que é uma atração para toda a família. O visual é incrível, a diversidade dos animais é surpreendente, e você ainda pode ver alguns deles em seu habitat natural. Tubarões, arraias, tartarugas, água viva e até uma sessão só da Amazônia são algumas das muitas atrações legais. A entrada custa a partir de 109 NIS por pessoa, com o preço podendo subir de acordo com outros serviços que você pode adquirir à parte. Durante à tarde fomos nos banhar no Mar Vermelho, que você vai reparar ao entrar que é verdinho e um pouco salgado. Adoraríamos ficar mais em Eilat, mas no dia seguinte fomos para o Egito, pela fronteira de Taba. Em breve, contaremos aqui como foi. 😉

Coral World Underwater Observatory Eilat

Coral World Underwater Observatory Eilat

Praia em Eilat

Praia em Eilat

Coral World Underwater Observatory Eilat

Coral World Underwater Observatory Eilat

Israel é incrível. Incrível e incrível! Esperamos que você, que também tem o sonho de visitar esse país, possa aproveitar tanto quanto a gente! 🙂 E esperamos também que você tenha gostado desse guia que preparamos com muito capricho pra facilitar sua programação.

Reserve sua hospedagem no Booking aqui pelo blog! O preço da tarifa não muda e nós ganharemos uma pequena comissão com a sua reserva. Por isso, se você, leitor, gostou deste post e curte as nossas dicas e roteiros, ao realizar uma reserva aqui neste link, você estará nos ajudando a manter o blog no ar. :)log no ar. 🙂

Qualquer dúvida, deixe um comentário que será um prazer respondê-los!

Shalom 😀

 

Anúncios
Sobre O Tour Nosso de Cada Dia (213 artigos)
Como bons jornalistas, gostamos de escrever. Aqui, vamos fazer uma espécie de bastidores das nossas viagens, expectativas, ansiedades, preparativos e muito mais. Esperamos dividir com você um pouquinho da nossa paixão (literalmente) por viagens.

2 comentários em O que fazer em Israel: roteiro de 10 dias pelo país

  1. Miriam Lima // 23/05/2017 às 22:06 // Responder

    Estou amando esses posts sobre Israel, ansiosa pelos próximos!

1 Trackback / Pingback

  1. Dicas para visitar Israel: confira um guia completo com o que você precisa saber antes de ir à Terra Santa – O tour nosso de cada dia

Ficou com alguma dúvida ou quer elogiar? Deixe-nos um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: